A cegueira nos gatos

Apesar de serem conhecidos pela sua excelente visão, os gatos não são imunes a problemas oftálmicos, incluindo cegueira. A cegueira pode ocorrer repentinamente, mas é mais comum tratar-se de um processo tão gradual que é difícil o dono detetar o problema até o animal perder a vista. A cegueira é mais comum nos gatos idosos.

As causas clínicas da perda de visão incluem traumatismos, problemas neurológicos, cataratas, glaucoma, tumores oculares, inflamação ou infeção e hipertensão arterial. Felizmente, os gatos são animais extremamente adaptáveis e compensam a falta de visão com os extraordinários sentidos de olfato e de tato. As causas hereditárias de cegueira são mais recorrentes nos gatos de raça pura.

Como é que posso avaliar se o meu gato está cego?

O sinal mais óbvio de perda de visão é o animal começar a esbarrar nos objetos. Se reparar que o gato está desorientado ou que se movimenta de forma mais cuidadosa pela casa, pode estar perante um sinal de fraca acuidade visual. Caso a cegueira tenha ocorrido repentinamente, é provável que o gato se sinta muito transtornado. Pode também notar uma anomalia nos olhos do animal, o que pode ser sinal de infeção ou de outras alterações conducentes a cegueira.

Lembre-se, a cegueira pode afetar apenas um olho. Se for esse o caso, evite ruídos ou movimentos bruscos no lado do olho cego para evitar assustar o animal.

Em última instância, se estiver preocupado com os olhos do seu gato, marque um exame no veterinário, já que alguns problemas têm tratamento que pode evitar a perda de visão adicional. A perda de visão repentina é uma situação urgente que exige tratamento médico imediato para tentar recuperar a visão.

Facilitar a vida do gato cego

Quando é o dono de um gato cego, a comunicação auditiva torna-se essencial. É importante não assustar o gato, especialmente na fase de adaptação à sua nova forma de vida. Chame o gato com mais frequência e certifique-se de que os seus passos podem facilmente notados pelo som ou vibração. Fale frequentemente com o gato e exagere o tom e a dicção da sua voz.

Não deve ser permitido aos gatos cegos explorar o exterior, é necessário mantê-los dentro de casa ou ter acesso apenas a um jardim ou quintal seguro. Em alternativa, pode passear o gato com uma trela, se o animal for capaz de a suportar.

Os gatos cegos dependem dos odores e da memória para se orientarem, de modo que é importante manter a comida, mobília e caixa de areia nos mesmos locais para facilitar as deslocações do animal. O gato é mais sensível às alterações na disposição da mobília do que antes de cegar. Inicialmente, mantenha o gato cego num espaço confinado e permita-lhe explorar a casa gradualmente, para que se adapte sem correr perigo.

Se tem filhos, lembre-lhes a importância de não deixar brinquedos espalhados pelo chão para o gato não tropeçar. Esteja mais atento à arrumação e não deixe obstáculos em locais inesperados.

À semelhança da recomendação habitual para os gatos portadores de deficiência, recorra a uma coleira de abertura fácil com a sua informação de contacto e, também, o nome, morada e número de telefone do veterinário. Também deve constar claramente a informação de que o gato é cego. Como para todos os gatos, aconselha-se a implantação de um microchip.

Gatos com cio: Um manual