Problemas de rins nos gatos

Os rins são órgãos vitais que desempenham uma série de funções importantes para o organismo. A função principal dos rins é filtrar resíduos do sangue (excretando-os com a urina), sendo que também têm um papel na regulação dos minerais do corpo e da pressão arterial, bem como na produção de hormonas essenciais. Como tal, estão permanentemente em funcionamento para a manutenção do resto do corpo, sendo que qualquer problema com os rins pode originar diversos problemas graves. A insuficiência renal é muito comum, especialmente em gatos mais idosos, que normalmente sofrem da forma crónica da doença.

Existem dois tipos de insuficiência renal:

Insuficiência renal aguda

Trata-se da incapacidade repentina de os rins desempenharem as suas funções adequadamente. A insuficiência renal aguda nos gatos pode ser causada por infeção ou pela ingestão de toxinas. Os danos nos rins desta natureza podem ser reversíveis, mas não em todos os casos.

Insuficiência renal crónica

A insuficiência renal crónica nos felinos ocorre ao longo de um período alargado de tempo, que pode ir de meses a anos. As causas podem variar entre infeções e tumores, contudo, na maioria dos casos, desconhece-se a origem exata. Quando é diagnosticada, a insuficiência renal crónica é já uma condição irreversível, mas felizmente existem tratamentos para travar a progressão da doença e aliviar os sintomas.

Nas etapas iniciais da doença, as áreas saudáveis do rim compensam as áreas afetadas e assumem uma carga funcional acrescida. Contudo, à medida que a doença progride, as áreas em funcionamento perdem-se e as áreas saudáveis restantes não são capazes de compensar os danos gerais. É quando a doença atinge este patamar que o seu gato começa a manifestar sinais de insuficiência renal. A insuficiência renal crónica é uma desordem progressiva, sendo muito comum que os gatos desenvolvam algum tipo de insuficiência à medida que envelhecem, devido à deterioração gradual das partes do rim que assumem a carga funcional. Normalmente, a gestão da condição faz-se recorrendo a fluidos, dietas especiais e medicamentos para abrandar a progressão da doença e ajudar o animal a sentir-se melhor, apesar da enfermidade.

Sinais a ter em atenção

O seu gato pode não ser capaz de concentrar a urina corretamente, ao invés produzindo grandes quantidades de urina diluída. Tal significa que o animal irá urinar mais, logo, beber mais para repor os fluidos perdidos. Trata-se de um ciclo perigoso, de modo que é importante assinalar qualquer desvio nos padrões relativos a beber e urinar nos gatos mais idosos. Jamais prive o gato de água na tentativa de reduzir a urina, dado que tal pode provocar níveis de desidratação perigosos nos gatos com doença renal.

O seu gato pode igualmente padecer de falta de apetite, parecer cansado e, de um modo geral, letárgico. Esse quadro de sintomas deve-se às toxinas acumuladas no organismo que, numa situação normal, deveriam ser excretadas através da urina. O seu gato pode também sentir náuseas, resultando em vómitos, regurgitação gástrica e mau hálito.

Diagnóstico do veterinário

O veterinário pode precisar de análises à urina, que irão revelar se a urina está a ser concentrada, se estão a ser perdidas proteínas na urina e se existem outros problemas (como, por exemplo, uma infeção subjacente) a ter em consideração.

O veterinário irá também recolher análises ao sangue. Em simultâneo com os testes relativos à função renal, alguns veterinários preferem realizar análises completas ao sangue para verificar os restantes órgãos e sistemas e assim obter um perfil integral da saúde do animal, já que, por vezes, a acumulação de toxinas pode ter efeitos de repercussão em outros órgãos.

Normalmente, o tratamento é gerido através de controlo da alimentação ou de medicação, ou ambos, consoante a gravidade da doença.

Medicação

Os gatos com insuficiência renal podem desenvolver condições clínicas como pressão arterial elevada ou anemia. O veterinário pode recomendar medicação específica para ajudar a controlar estes problemas.

Dieta

Está comprovado que uma dieta personalizada reduz os sinais de insuficiência renal e abranda a progressão da doença; como tal, as modificações alimentares são a chave na gestão da doença renal crónica nos gatos. O veterinário pode recomendar uma dieta especial, conhecida como dieta de "prescrição pelo veterinário", para ajudar o animal.

As dietas devem ser alteradas de forma muito gradual para reduzir o risco de perturbações gástricas e encorajar o gato a comer a nova fórmula. Não desista da nova dieta só porque o gato se mostra desinteressado. A menos que o veterinário indique o contrário, deve misturar rigorosamente a nova dieta na dieta original do animal. Tal implica aumentar a nova dieta diariamente em pequenas quantidades, ao mesmo tempo reduzindo a quantidade da dieta original.

O processo de mudança pode demorar entre duas e seis semanas a concluir. Tenha em atenção que, apesar de demorar, a nova dieta é extremamente importante para a saúde do seu gato.

Algumas sugestões:

  • • Evite dar guloseimas, experimente antes alguns dos croquetes especiais de dieta.
  • • Forneça refeições pequenas com frequência, em vez de uma ou duas refeições grandes.
  • • A alimentação húmida pode ser aquecida no micro-ondas até ficar morna (nunca quente), para ficar mais aromática e com uma consistência mais mole.
  • • Se o gato estiver habituado a alimentação enlatada, a alimentação seca pode ser embebida alguns segundos em água morna para amolecer a consistência.

Sintomas de diabetes nos gatos